terça-feira, 17 de abril de 2018

Fernando de Noronha: a ilha e os mergulhos

Vista geral da Ilha

             
             A grande maioria das pessoas quando escuta o nome “Noronha” já pensa em praias lindas e lugar paradisíaco. Imagens belíssimas passam pela cabeça dessas pessoas. Mas pouca gente realmente sabe o que é Noronha ou até mesmo onde fica.  
            Fernando de Noronha é na verdade o nome de um arquipélago (conjunto de ilhas). O arquipélago é formado por vinte e uma ilhas, numa extensão de 26 km2. A ilha principal, também denominada Fernando de Noronha, é a única ilha habitada e tem uma área de 17km2. Todas as outras ilhas fazem parte do Parque Nacional Marinho e só podem ser visitadas se o IBAMA autorizar.
            O arquipélago se encontra a mais de 300 km de distância do continente, ou seja, um pouco difícil chegar lá nadando. Apesar de ser mais próximo de Natal, Rio Grande do Norte, pertence na verdade a Recife, Pernambuco e há voos diretos diários saindo das duas cidade para chegar na ilha. Ir de barco ou navio também é uma opção, mas há taxas a se pagar e não se pode atracar em qualquer lugar.

            Apesar do acesso restrito, e do tamanho do arquipélago somente na ilha principal há bastante que fazer e ver. São mais de 20 praias situadas ao longo dos dois lados da ilha, o Mar de Dentro e o Mar de Fora. O Mar de Dentro é o lado a noroeste da ilha, onde estão localizadas a maioria das praias, o Mar de Fora fica a sudeste da ilha. Praias abrigadas, em baias, também são comuns na ilha. 
Baia dos Porcos
             Como uma ilha no meio de um mar tropical, Noronha pode ser realmente considerada um paraíso. Faz sol a maior parte do ano, e águas mornas favorecem o esporte deste blog que você agora visita: o mergulho. Noronha entra para o topo da lista dos pontos de mergulhos do Brasil e há quem diga do mundo.
            A possibilidade de uma visibilidade de até 50 metros, águas calmas em vários pontos da ilha fazem com que mesmo iniciantes na prática do mergulho ou aqueles que nunca mergulharam na vida, possam usufruir do esporte. Também há vários pontos de fácil acesso e que são rasos o bastante para garantir um mergulho seguro e muito divertido para quem tenta o esporte pela primeira vez. 
            Para os mergulhadores experientes há todo tipo de mergulho: noturno, técnico, nitrox e por aí vai. Alguns mergulhos, como visitar a Corveta, requerem inclusive treinamento avançado e experiência. Mas mesmo uma máscara e snorkel podem garantir diversão, para ver peixes na beira da praia.
Mapa dos mergulhos na Ilha de Fernando de Noronha, clique aqui para ver a imagem em tamanho real. 

            A Mar do Ceará está começando a bater o ponto em Noronha. Por duas vezes já a escola e operadora de mergulho levou uma galerinha para mergulhar: uma em outubro de 2015 e outra em outubro de 2016. Quiserem conferir as fotos desses dois momentos cliquem aqui para 2015 e aqui para 2016. A galera se divertiu fazendo trilhas além dos mergulhos. Foi tempo de curtir a ilha, curtir o mar e as praias. Enfim, vida e liberdade total nesse paraíso na terra. 
          E em 2018 a Mar do Ceará vai levar a galerinha de novo para Noronha! A viagem promete! Vamos? Ainda dá tempo!

Fonte:

https://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/fernando-de-noronha-7/
http://www.noronha.pe.gov.br/instMeioAmbiente.php http://www.ilhadenoronha.com.br/ailha/mergulho_em_noronha.php

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Um oceano feito de plástico


Todos os dias, do momento em que acordamos até quando vamos dormir, nós estamos cercados de plástico. É a escova de dentes, o cartão de crédito, a embalagem do shampoo, o pacote do biscoito ou salgadinho, canudinhos e por aí vai. Até nas nossas roupas há plástico. E esse plástico se tornou um problema. Na última década, temos produzido mais plástico do em todos os anos anteriores desde o aparecimento do plástico. E a produção continua a crescer. E todo esse plástico trouxe um problema junto com ele.



Produzimos toneladas e toneladas de lixo plástico todos os dias. E esse lixo representa muitos problemas. O plástico demora muito para degradar, para desmanchar e desaparecer. Esse muito é realmente muito. Mesmo se você, que está lendo esse texto, agora tiver 100 anos, o plástico leva em média três vezes a sua vida para sumir. Se você tiver apenas trinta anos será dez vezes a sua idade! Ou seja, pelo menos 300 anos para sumir. Você pode pensar agora “Mas e a reciclagem? Plástico pode ser reciclado!”. Uma parte do plástico sim. Mas sabia que sacolas plásticas não podem? E mesmo o plástico que pode ser reciclado a maior parte não é. Por que? Bom, isso requer um investimento. Requer dinheiro. Mesmo em países como Inglaterra e Estados Unidos menos de 10% do plástico é reciclado.


E o que acontece com todo esse lixo? Essas toneladas e mais toneladas de plástico, de lixo indestrutível que nós produzimos todos os dias. A maior parte vai parar nos mares e oceanos. Através de rios e sendo arrastada pela chuva. Algumas vezes simplesmente jogado diretamente no mar. Como isso é possível? Simplesmente estamos produzindo mais lixo do que damos de conta.

Mas muito desse plástico é desnecessário. Quando foi a última vez que você saiu de uma loja com uma sacola de plástico? E no supermercado? Quando foi a última vez que você pegou uma sacola de plástico para carregar somente um produto? E usou um canudinho em um copo que não precisava de canudo? Ou usou um copo plástico sem nem perguntar se tinha a opção de copo de vidro? Parte do problema é que não somo ensinados sobre tudo isso. Não questionamos hábitos corriqueiros do nosso dia a dia. Simplesmente consumimos e produzimos lixo plástico indiscriminadamente.

Você pode ter ouvido falar da ilha de plástico no Pacífico. Mas será que você sabe o quão responsável pela existência dessa ilha você é? Ou será que você sabe que há pelo menos outras três grandes ilhas de plástico? Uma vez que não temos acesso a toda a informação fica difícil decidir.

Outra parte do problema é que as vezes não temos escolha. Faça o teste. Entre em um supermercado. Qualquer supermercado. Agora compre dez produtos  que você esteja precisando entre alimentos e produtos de limpeza ou higiene pessoal e tente não comprar nada que tenha embalagem de plástico. Difícil? Agora tente cinco produtos. Ainda difícil? Quando a gente começa a refletir, a gente vê o quanto está mergulhado em plástico, cercado e quase literalmente refém de uma vida de plástico.

Eu imagino que você que está sentado aí lendo ama alguém. Ama um filho ou cônjuge. Um pai ou uma mãe. Um amigo ou amiga. Um caso, um parceiro. Espero que você se ame também. Baseado nesse amor, qual seria a dificuldade de começar a refletir as suas escolhas? Seria muito difícil na próxima vez que você entrar no supermercado recusar uma sacola plástica? Ou quando for tomar um suco beber no copo, sem canudinho? São pequenas escolhas, mas que fazem uma grande, enorme diferença. Então, escolha.

A decisão de diminuir a quantidade de plástico que jogamos nos mares e oceanos é nossa. Minha aqui sentada escrevendo. Sua aí sentado lendo. É meu dever. É seu dever. É nosso e todo e qualquer ser humano nesse planeta. Se não fizermos nada estaremos literalmente nadando em plástico nos próximos anos. As previsões mais otimistas dizem que até 2050 haverá mais plástico nos oceanos do que peixes. Parece que ainda falta muito tempo.  Na verdade, é pouco mais de 30 anos. Não é tanto tempo assim.

A maior parte do lixo plástico que produzimos é totalmente desnecessária. Verdade que de muitas coisas somos reféns. Se diante desse quadro tenebroso hoje você decidisse não usar mais nada de plástico, é possível que você tivesse que se mudar para uma colônia de nudistas. E não estou exagerando. Há plástico nas roupas de baixo. Há plástico na tinta de camisetas. E é muito provável que os botões de todas as suas roupas sejam de plástico. Pare e observe. O que não tem plástico a sua volta?

Todos os anos o mar sufoca mais um pouco em plástico. Milhares de animais morrem em decorrência do lixo plástico todos os meses. São tartarugas, pássaros, tubarões, golfinhos e focas. Peixes, centenas de peixes todos os dias. Isso dos animais que podem ser considerados grandes. E os camarões? E pequenos peixes e larvas? Não sabemos. Conseguimos apenas contar o que vemos. E o que vemos é que milhares de animais “grandes” morrem todos os meses em decorrência de todo esse plástico que nós usamos.

Assusta um pouco pensar nisso. Assusta ainda mais assumir a responsabilidade e dizer “Eu sou responsável pela baleia que morreu de fome com o estômago cheio de plástico”. Se der muito medo não precisa fazer. Mas as pessoas que você ama e os outros bilhões de pessoas que vivem nesse planeta precisam que você assuma sua parcela de responsabilidade e comece hoje. Recuse o copo plástico. Recuse o canudinho. Recuse a sacola. Recuse qualquer plástico que você puder recusar. O que você não puder recusar a gente vai resolvendo. Aos poucos. Dia após dia. Mas é preciso começar. Nos pequenos passos. No imediato. Nas escolhas de hoje.

Fontes: 
https://oceanservice.noaa.gov/facts/
https://marinedebris.noaa.gov/info/faqs.html
https://plasticoceans.org/

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Veja como foi a Viagem Naufrágios de Recife 2017




De 23 a 26 de novembro, aconteceu mais uma divetrip para os Naufrágio de Recife!
Foram dias intensos de diversão e muito mergulho com uma equipe de mais de 10 mergulhadores.

Recife é reconhecida como a Capital dos Naufrágios do Brasil, em cujo litoral somam-se mais de 100 naufrágios diferentes, repletos de vida e histórias emocionantes!
Peixes, raias, tartarugas, corais, lagostas, naufrágios e toda beleza de um verdadeiro jardim submarino, à disposição em uma água azul, transparente e quentinha. Foram dois dias de mergulhos extraordinários!


Confira o Logbook:
1° Dia - 24 de novembro
São José - naufrágio artificial de 24m de comprimento
Phoenix - rebocador afundado propositalmente para mergulho
Bellatrix - outro naufrágio artificial com 30m de comprimento

2° Dia - 25 de novembro
Saveiro - rebocador de porte médio, afundado em 2006
Mercurius/Virgo - naufrágio artificial
Pirapama - famoso naufrágio da região, afundou após chocar-se com o Vapor Bahia, em 1887


Mais informações sobre os naufrágios mergulhados podem ser encontradas no site BrasilMergulho e no Naufrágios do Brasil!

Confira algumas fotos das nossas aventuras: