terça-feira, 4 de julho de 2017

Balneário do Córrego da Volta - Itarema/CE


Itarema é um município que fica localizado a cerca de 200 km de fortaleza.
O sol brilhando quase o ano todo e a brisa que sopra do mar conferem ao município um jeito de paraíso tropical. Mas nem só de mar é feita Itarema!

As principais fontes de água fazem parte da bacia do Litoral, sendo eles os córregos Grande, da Volta e Mineiro e outros tantos. 

O Balneário do Córrego da Volta é um pedacinho de paraíso encontrado no lugar, conhecido também como Lagoa Azul. 
Lá nós temos uma deliciosa experiência de um mergulho tranquilo, com águas calmas, onde a maior preocupação é apreciar a natureza (e o azul!) a nossa volta.
Para os mergulhadores que estão acostumados com os mares agitados do Ceará, é um mergulho diferente e super recomendado. 

Confira as fotos do nosso último mergulho nesse paraíso azul:
  • Profundidade máxima de 7m
  • Visibilidade de + 10m 
  • Mergulhadores nível básico e avançado 
  • Pacote com transporte + staff + equipamentos. (entre em contato)













Veja também um pouquinho da visão aérea do local.




Vale muito conferir essa beleza de perto! 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Confira o que aconteceu na Primeira Semana do Mar

Quer saber um pouquinho do que rolou no Iate Clube de Fortaleza?

A Semana do Mar foi criada, pensada e organizada com muito carinho e dedicação para todos que, assim como nós, são apaixonados pelo mar e seus encantos.
Um evento feito para quem é do mar e para quem tem o mar como fonte de inspiração.


Foram dias intensos com diversas atividades recreativas, como stand up paddle, canoa havaiana, oficina de mergulho, onde puderam participar crianças e adultos.





Também ficou em exposição uma linda galeria de fotografia subaquática, do fotógrafo Ruver Bandeira.




Exposições de maquetes com a Marinha, peças de antiguidades náuticas e equipamentos de mergulho.






Bioshark - Material Biológico - arcadas dentárias e animais formalizados.





Exposição de fotos do Parque Estadual Marinho Pedra da Risca do Meio.







Também foram abordados assuntos sobre meio ambiente, consciência sustentável. Por exemplo, o Projeto Limpando o Mundo, que trouxe uma exposição super curiosa com itens que eles encontraram na praia e no mar, tentando trabalhar a conscientização de todos que utilizam esse meio natural para diversão ou sustento.




Reuniões e debates com organizações importantes do Estado para discutir a segurança, fiscalização e gestão do Parque Estadual Pedra da Risca do Meio, que completou 20 anos e é a primeira e única unidade de conservação marinha do Ceará.





Nossa ideia foi levar diversão, um pouco do nosso conhecimento, experiências e informações interessantes sobre assuntos diversos que pertencem ao contexto marinho.

Agradecemos especialmente ao nosso anfitrião, Iate Clube de Fortaleza, na figura do Sr. Licínio, que recebeu a todos com braços abertos e sorriso no rosto.
Ficamos imensamente felizes com todas as participações!

Esperamos que todos tenham gostado da programação e que tenhamos conseguido unir forças para cuidar e preservar cada vez mais esse ambiente que tanto amamos.
Nosso muito obrigada e até a próxima!

terça-feira, 23 de maio de 2017

Fortaleza sediará a I Semana do Mar (SEMAR)



Fortaleza será a sede de evento inédito para o Ceará e um dos maiores já realizados no Nordeste para discutir o mar nas mais diversas vertentes. Esporte, meio ambiente, história, economia, segurança, ciência, comunicação e saúde estarão reunidas na primeira Semana do Mar (Semar), de 8 a 11 de junho no Iate Clube de Fortaleza. 

Durante quatro dias, especialistas participam em mais de 20 palestras e 10 exposições, além de oficinas de mergulho com a operadora Mar do Ceará e mesa-redonda com algumas das principais autoridades em questões marítimas para o Estado. O evento é gratuito e aberto ao público.

Entre os temas das palestras, serão discutidos: o combate ao lixo marinho, a conservação no manguezal do rio Cocó, mergulho recreativo e profissional, esportes de vela, surf e stand up paddle como superação. Pesca fantasma, população de tubarões e naufrágios também serão abordados, além da exibição de documentários. 
A Marinha do Brasil falará sobre segurança no tráfego aquaviário. Com Universidade Federal do Ceará, Sema, Capitania dos Portos e Marinha do Brasil e a operadora de Mergulho Mar do Ceará, será abordada a fiscalização e gestão do Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio.

Haverá exposições de fotografias subaquáticas, peças de antiguidade náuticas, barcos de rádio controle, venda de peças de cristais resgatados do fundo do mar e o lançamento do livro Atlas de Naufrágios do Ceará. 

A primeira Semana do Mar é realizada por um coletivo de entidades independentes que operam, estudam ou produzem conhecimento no mar, como a Operadora de Mergulho Mar do Ceará e têm o apoio da Marinha do Brasil, Universidade Federal do Ceará, Capitania dos Portos, Governo do Estado, Prefeitura de Fortaleza e o Iate Clube de Fortaleza.

CLIQUE AQUI para ver a programação completa. 


Serviço:
I Semana do Mar - SEMAR
Data: 8 a 11 de junho
Horário: 8h às 20h
Local: Iate Clube de Fortaleza, Av. Abolição, 4813 – Mucuripe.
Entrada gratuita

Informações para entrevistas:
Augusto Bastos (85)9.9984-5411
Lídia Torquato (85)9.9609-3289

terça-feira, 16 de maio de 2017

Como os peixes absorvem o oxigênio da água?

Sabemos que os peixes retiram da água o oxigênio que utilizam para o funcionamento de seus organismos. E é nela que eles depositam os gases produtos desse funcionamento. Para nós, que vivemos fora d'água, a nossa troca gasosa é feita entre nossos pulmões, que captam o ar da atmosfera, e, sob pressão, troca o oxigênio (O2) pelo dióxido de carbono (CO2) com os vasos sanguíneos que estão em contato com a superfície dos alvéolos (bolsas presentes nos pulmões).
1. Esquema demonstrando as pressões parciais para ocorrência das trocas gasosas entre o pulmão e o vaso sanguíneo.
Para que um órgão seja eficiente na captação de oxigênio ele deve ter uma área de superfície grande, por isso a maioria é cheio de dobramentos denominados invaginações (para dentro) ou evaginações (para fora). Além disso deve ser composto por membranas bem finas e deve ser vascularizado por por muitos vasos sanguíneos.

2. Brânquia de peixe apresentando
coloração avermelhada devido
ao intenso fluxo sanguíneo.
Muitos dos animais terrestres são pulmonados, mas em insetos as trocas gasosas são feitas entre tubulações e os vasos deles, não tendo um órgão específico. Com peixes o órgão responsável são as brânquias. Bem finas, repleta de vasos sanguíneos e dotada de muitas ramificações na forma de evaginações, formando lamelas, que são estruturas em forma de lâminas bem finas.
3. Esquema mostrando as brânquias
de um peixe, suas estruturas e detalhes.
Um mecanismo chamado de Contra Corrente é o principal responsável por viabilizar as trocas gasosas em peixes. Esse mecanismos consiste na passagem do fluxo sanguíneo pelas estruturas das brânquias em um sentido oposto ao fluxo da água. Isso expões a água em contato maior com o sangue pouco oxigenado, realizando as trocas gasosas entre a água mais rica em oxigênio com o sangue, mais rico em dióxido de carbono.

Esse sistema é muito comum na maioria dos animais que possuem brânquias, pois aumenta a eficiência desse órgão nas trocas gasosas. Mas ele pode ser complementado com o nado do peixe. Como ele faz? Ele nada com a boca e com seu opérculo, 'tampinha' que protege as brânquias, levemente abertos, permitindo que, com o nado, a água passe por suas brânquias de maneira constante, melhorando, ainda mais, sua captação de oxigênio.

5. Esquema mostrando o fluxo daágua pelas brânquias do peixe.
Mas não seria possível que eles respirassem também fora d'água, já que o ar tem bem mais oxigênio? Não, pois os peixes necessitam que suas brânquias estejam na água para, a partir dela, absorver o gás que precisa. Mas há peixes capazes de respirar 'fora d'água', os chamados peixes pulmonados. Mas essa forma de obtenção de ar é usada em momentos de extrema necessidade como falta de oxigênio na água ou, ainda, seca periódica.

6. O peixe Periophthalmus argentilineatus é capaz de se locomover fora da água respirando por pulmões rudimentares.
No caso de seca, alguns peixes que resistem na lama possuem essa segunda opção de respiração, a pulmonada, bem menos eficiente que a por brânquias, mas necessária para manter seus órgãos vitais trabalhando lentamente até que se restabeleça a disposição de água com oxigênio dissolvido.

Assim como nós, cada animal na natureza apresenta modificações decorrentes de milhares de anos de evolução tornando-o hábil à explorar o ambiente em que vivem. Alguns, como nós, desenvolve técnicas para explorar outros ambientes, como os equipamentos de mergulho, mas isso não gera mudança em nossos organismos. Por isso ainda possuímos muita dificuldade em submergir a grandes profundidades, ação facilmente realizada pelo organismos que vivem na água como os peixe abissais, e ainda assim possuem suas limitações.

Conhecer todas essas limitações é estar preparado para dominar novos ambientes em que elas permitem-nos dominar. Estar consciente de suas ações, em boa forma física e ativamente treinado são cuidados básicos para um bom mergulho, afinal somos terrestres dentro d'água. Mergulhe consciente!

Referências:
Livro: Fisiologia Animal - Adaptação e Meio Ambiente. Knut Schmidt-Nielsen, 5 ed.;
            A Vida dos Vertebrados. F. Harvey Pough, 4 ed.;
Link: https://netnature.wordpress.com/2011/05/15/a-grande-conquista/
Imagens:
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAYfAAA/cap-20-equilibrio-acido-basico-hidro-eletrolitico
http://4.bp.blogspot.com/-7ta6AUtjuWY/TdASauNgZuI/AAAAAAAAALg/P6MiOWxLpOw/s1600/x1.jpg
https://netnature.files.wordpress.com/2011/05/periophthalmus-argentilineatus.jpg
http://s5.static.brasilescola.uol.com.br/img/2015/08/branquias.jpg
https://lh6.googleusercontent.com/-8RX0xZ_tW0Q/U_yqUHnJZTI/AAAAAAAAEtc/9yz-q4VLW0g/w873-h616/20.jpg

quinta-feira, 16 de março de 2017

Misteriosos veleiros franceses encontrados em litoral nordestino: o Luny e o Toumai

O veleiro Toumai no porto em Areia Branca. É possível observar que os tripulantes não saíram às pressas: o mastro cuidadosamente amarrado à embarcação. Fonte Whatssup.

Neste semana um veleiro francês foi encontrado sem tripulação no nordeste brasileiro. Não é a primeira vez que isso acontece!
Fonte: Whatssup.

Os tripulantes do veleiro pediram socorro por rádio até que abandonaram seu veleiro "Toumai" ao serem resgatados pelo mercante "Noni"no dia 22 de janeiro de 2017. Sua embarcação ficou abandonada à deriva até ser encontrada por pescadores do Rio Grande do Norte e levada para Areia Branca.

Não é a primeira vez que isso acontece em litoral nordestino. 

Em janeiro de 1994 o veleiro "Luny" foi encontrado na sem tripulação na Praia de Almofala, no Ceará. Segundo a polícia, a embarcação estava abandonada há pelo menos uma semana e tinha mantimentos para aproximadamente quatro dias. Estava registrado em nome de Gerard Jean Gilbert, francês de 47 anos, e partira de Gibraltar com destino a Montevidéu em 21 de setembro de 1993. A polícia encontrou diversas fotos e documentos que indicam que o proprietário estava viajando com a espora e uma pessoa idosa.  
O proprietário e tripulação do veleiro
 Luny desapareceram em 1994.

E de quem é a embarcação encontrada abandonada à deriva? Segundo os advogados José Augusto Mendes Marques e Rute de Los Santos Sarmento em estudo de caso publicado no site Popa em 2008: 

O incidente envolvendo o veleiro argentino Ilikai, ocorrido no dia 31.05.08, a 64 milhas da costa gaúcha, foi amplamente divulgado pelos meios de comunicação de todo o país e despertou a curiosidade de muitos.
Mas, afinal, o dito popular “achado não é roubado” poderia ser aplicado no caso da embarcação Ilikai, caso alguém venha a encontrá-la em alto-mar?Após enfrentar uma tempestade durante o “Crucero de la Amistad” (Cruzeiro da Amizade), que reúne veleiros da Argentina e do Uruguai em passeio pela costa brasileira, o veleiro Ilikai sofreu diversas avarias que obrigaram a tripulação a abandonar em alto-mar o barco de 41 pés, avaliado em US$ 200 mil.
De acordo com a doutrina pátria, não se admite a aquisição da propriedade por ocupação ou salvamento de embarcação em estado de abandono.
Saliente-se que o salvamento, a ocupação ou posse não legitimam a aquisição da propriedade do navio ou embarcação.
Ademais, conforme dispõe a legislação penal vigente, aquele que se apropriar de coisa alheia vinda ao seu poder por erro, caso fortuito ou força da natureza ou, ainda, aquele que achar coisa alheia perdida e dela se apropriar total ou parcialmente, deixando de restituí-la ao dono ou legítimo possuidor ou de entregá-la à autoridade competente, dentro no prazo de 15 (quinze) dias, poderá incorrer em uma pena de detenção de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa.
Embora afastada a hipótese de aquisição de embarcação em estado de abandono por ocupação ou salvamento, releva notar que a Lei n.º 7.203/84, que dispõe sobre a Assistência e Salvamento de Embarcação, Coisa ou Bem em Perigo no Mar, nos Portos e nas Vias Navegáveis Interiores, assegura o direito à remuneração àqueles que prestarem serviços de busca e salvamento e que participarem de operações de assistência e salvamento.
Por fim, importa esclarecer que, de acordo com o referido diploma legal, a remuneração devida pela prestação de serviço de assistência e salvamento será objeto de acordo entre as partes interessadas e, não havendo acordo entre estas, o pagamento será fixado por arbitragem ou por tribunal competente.
O veleiro Luny e os pescadores que o
encontraram em 1994.
O Mistério do Iate Francês foi a primeira matéria publicado no blog em setembro de 2009.

Imagens
Whatssup / Internet
Diário do Nordeste


Fontes
Diário do Nordeste